sábado, 16 de junho de 2012

silêncio

A palavra alcança a garganta
não sai do velho modelo repetido ponto a ponto
morre na língua

é um deus dos extremos
é ou não é

se morre
se não é extrema
se não é nem não é
nasce outro deus

da não-polaridade
além de cada ponta
que aos berros se impõe

para existir
ele precisa de um nome
e assim o novo deus morre
e nasce a palavra "silêncio"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

não sou poeta maldito, mas amaldiçoo todos os que lerem e não comentarem [risos] calma, podem comentar a vontade