sexta-feira, 22 de junho de 2012

eternidade

meu girassol é claro como um olhar
de uma puta apaixonada
as estradas velam hábitos
todo caminho novo é vício

até o espanto do gênesis
que a criança tem no parto
morre no desfecho da revelação
na monotonia do para sempre

e o mundo ainda espera
a eterna novidade
que sempre se repete

Nenhum comentário:

Postar um comentário

não sou poeta maldito, mas amaldiçoo todos os que lerem e não comentarem [risos] calma, podem comentar a vontade