quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

boemia

 madrepérolas douradas
emparedaram meu amontilado.

o vinho da morte bêbada
na rua canta em meio aos cães.

um uivo é tudo o que cheiro
na noite de cio de agosto.

na revelação morrem as matilhas
de bêbados leitores.

2 comentários:

  1. Muito bonito, caro amigo Tito. Ginsberg e Poe devem estar brindando a beleza da sua escrita.
    :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. brigado juliinha
      gostei do seu blog também
      vou comentar nele quando me livrar de um serviço

      Excluir

não sou poeta maldito, mas amaldiçoo todos os que lerem e não comentarem [risos] calma, podem comentar a vontade